Dr. Edgard Gripp tira dúvidas sobre cirurgia bariátrica

By | A Clínica | No Comments

Fala aí, Doutor!


Tire suas dúvidas sobre cirurgia bariátrica

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, 93,5 mil pessoas tiveram suas vidas transformadas pela cirurgia bariátrica apenas em 2015. Muito mais do que possibilitar a conquista de um corpo magro, o procedimento devolve saúde e autoestima para quem já as havia perdido há muito tempo. Mas, antes de pensar em passar pela gastroplastia, é preciso se informar sobre os riscos e benefícios do método. Para isso, batemos um papo com o especialista em cirurgia bariátrica e vídeo cirurgia há mais de 20 anos, Dr. Edgard Gripp.

Quem pode fazer a cirurgia bariátrica?

Dr. Edgard Gripp: A indicação para fazer a cirurgia bariátrica não está em pesar 80 kg, 90 kg ou 100 kg, mas no Índice de Massa Corpórea (IMC) da pessoa. O paciente precisa estar entre 35 Kg/m² a 39,9 Kg/m² de IMC e ter doenças associadas à obesidade, como apneia do sono, hipertensão, diabetes, aumento de gorduras no sangue ou problemas articulares. Já o paciente que tem IMC a partir de 40 Kg/m² tem indicação formal para a cirurgia pelos convênios médicos.

O que deve ser feito antes da cirurgia?

Dr. Edgard Gripp: Muitos fatores são analisados antes de fazer uma cirurgia bariátrica, mas o fator que menos nos preocupa é a questão estética. Isso porque a obesidade é considerada uma doença e não um fator estético.

O primeiro passo é descobrir se você está dentro do IMC adequado de 35 a 39.9 (com comorbidades) ou a partir de 40 Kg/m². Em seguida, procure um cirurgião especializado que possa lhe dar orientações e fazer uma avaliação pré-operatória. Embora a decisão pela técnica cirúrgica utilizada seja do médico, aconselho ao paciente que procure saber mais sobre as técnicas existentes. E o mais importante, ainda que os resultados sejam ótimos, a cirurgia bariátrica não faz milagre e o paciente deve saber que vai precisar mudar a sua rotina.

Quais são os principais benefícios?

Dr. Edgard Gripp: Na maioria dos casos, além de perder grande quantidade de peso, o paciente  tem os benefícios da melhora ou mesmo da cura das chamadas comorbidades (doenças associadas à obesidade), como o diabetes, os lipídeos sanguíneos, a apneia do sono, os níveis de ácido úrico, bem como o alívio das dores articulares e o controle da pressão arterial. Além do mais, normalmente, pacientes com a obesidade  costumam ter uma sobrevida 10 anos menor do que pacientes não obesos.

Ao longo dos anos, vi centenas de histórias de pessoas que tiveram a sua qualidade de vida melhorada pela cirurgia. Desde pessoas que não conseguiam subir em um banco para pegar algo num armário alto até pessoas que já não saiam mais de casa com vergonha da própria obesidade.

Existem riscos em fazer a cirurgia?

Dr. Edgard Gripp: Toda cirurgia tem os seus riscos e com a cirurgia bariátrica não é diferente. Mas, hoje, ela é muito menos complexa do que era há 20 anos, graças à evolução tecnológica. O material utilizado melhorou muito; a cirurgia que antes era feita por meio de um corte de 20cm a 30 cm no abdômen, agora é feita por vídeo cirurgia, que causa um trauma muito menor; as complicações diminuíram e o pós-operatório é bem melhor. Isso tudo fez com que a cirurgia bariátrica que antes era considerada de grande porte, passasse a ser considerada de médio porte.

Qual é a melhor técnica cirúrgica?

Dr. Edgard Gripp: Existem varias técnicas, mas as duas que mais têm sido praticadas pelos médicos são o Sleeve e a By Pass. O Sleeve nada mais é do que retirar uma banda do estômago e não mexer em mais nada. Tecnicamente ela é uma cirurgia muito mais fácil de se fazer, porém, também é uma cirurgia que só tem de 6 a 7 anos de mercado, o que ainda é pouco tempo para saber seus resultados a longo prazo. Para quem diabetes ou refluxo, por exemplo, não é a melhor técnica e chega a ser até contraindicada.

Já o By Pass, considerada a técnica mais utilizada do mundo para a cirurgia da obesidade, é feita por vídeo e tem uma internação rápida, durando uma média de 24 horas. A recuperação do paciente também é melhor e mais curta, além de ter um ganho estético e possibilidade de voltar a trabalhar mais cedo.

A maioria dos trabalhos científicos tem comprovado que a técnica do By Pass é sem sombra de dúvidas a que tem dado melhores resultados. Observou-se também que a possibilidade de reganho de peso no By Pass é menor do que no Sleeve.

É preciso mudar a alimentação após a cirurgia?

Dr. Edgard Gripp: O objetivo da cirurgia é auxiliar o paciente a reduzir o consumo de alimentos ingeridos e por isso a alimentação deve sim mudar. Mas, de forma geral, a indicação é comer de forma saudável. Normalmente come-se de tudo, mas é normal ter uma digestão mais difícil de doces e gorduras. Mas, o principal incômodo vem em razão da ingestão de uma grande quantidade de comida. Isso pode causar a síndrome de Dumping, que dá uma sensação muito ruim, mas que passa logo em seguida. Depois de cerca de 30 dias a maior parte desses incômodos vão melhorando.

A maioria dos pacientes também passa a ter menos tolerância ao álcool, porque o líquido se desloca do estômago reduzido direto para a parte mais baixa do intestino, o que faz com que o álcool seja absorvido mais rapidamente.

Pode haver ganho de peso depois da cirurgia?

Dr. Edgard Gripp: Embora ocorra com menos de 5% dos pacientes, o reganho de peso pode vir a acontecer. E vai muito do que foi feito anteriormente, como a técnica que foi utiliza e de como o paciente está se alimentando. Se a técnica falhou por algum motivo, como um defeito anatômico, tudo isto pode ser revisto. Mas, se ocorreu tudo perfeitamente na sua cirurgia e você é aquele paciente que toma muito líquido com alto teor calórico, doces e carbohidratos, não tem técnica que vá resolver o seu problema.

A questão alimentar continua sendo muito importante. Por isso, o acompanhamento da equipe multidisciplinar é fundamental junto, obviamente, com o exercício físico. Eu insisto demais com meus pacientes que a gente não está aqui para fazer milagre, tem que haver colaboração.

Qual é o tempo de recuperação?

Dr. Edgard Gripp: Nós temos conseguido mandar o paciente para casa após 12 horas de cirurgia.  Muitas vezes opera-se de manhã, de tarde o paciente está andando e à noite já está em casa, desde que a cirurgia tenha sido tranquila. Em 2 ou 3 dias é possível fazer serviços de casa leve, mas sem pegar peso. Com 15 dias já libero o paciente para uma hidroginástica e com 30 dias para ir para a academia.  

Quem tem diabetes pode fazer bariátrica?

Dr. Edgard Gripp: Caso seja um paciente que possua diabetes tipo 2, a cirurgia é altamente indicada. Mas, nos demais tipos de diabetes o procedimento não irá resolver o problema. Quanto mais novo o diabetes (até 12 anos), melhor o resultado. Passando daí os resultados não são tão bons. E não é porque fez a cirurgia que a diabetes não pode mais tarde voltar. E para esses pacientes, o By Pass é certamente a ferramenta mais acertada.

Quer tirar todas as suas dúvidas sobre cirurgia bariátrica? Entre em contato com a Gastro Center pelo telefone (65) 3614-9500 e agende uma consulta. Lembre-se que ouvir um especialista é fundamental antes de tomar qualquer decisão que envolva a sua saúde e da sua família.

Mariana Vianna

OBESIDADE MÓRBIDA

By | Obesidade Mórbida | No Comments

OBESIDADE MÓRBIDA

Devido ao fato de a imensa maioria dos pacientes severamente obesos não conseguirem promover mudança definitiva nos seus hábitos alimentares e na prática de atividade física, aliado às alterações nos mecanismos que controlam a distribuição da gordura e o gasto energético, os obesos tendem a recuperar o peso perdido, superando inclusive o peso inicial e se tornando ainda mais obesos. É por essa razão que os tratamentos conservadores à base de dietas e medicamentos não conseguem manter perdas de peso significativas em longo prazo. Isto leva a um fenômeno popularmente conhecido como “efeito sanfona”. Os pacientes com obesidade mórbida devem portanto ser encarados como portadores de uma doença séria, que ameaça a vida, reduz a qualidade de vida e a auto estima, e que requer abordagem eficiente para promover redução do peso de forma definitiva.
Existem várias alternativas terapêuticas que, combinadas, conseguem significativas perdas de peso como as dietas de baixas e muito baixas calorias, a psicoterapia, a terapia comportamental, o exercício físico, e drogas como a sibutramina e o orlistat (plenty, reductil e xenical) que incrementaram o arsenal terapêutico contra a obesidade. Porém quando se trata de obesidade mórbida, essas medidas são fugazes e ineficientes. É por isso que, para indivíduos com obesidade severa, o tratamento cirúrgico é o único que promove acentuada e duradoura perda de peso, reduzindo as taxas de mortalidade e resolvendo, ou pelo menos minimizando, uma série de doenças associadas à obesidade. A Cirurgia Bariátrica (nome utilizado para se definir a cirurgia para obesidade mórbida) é um procedimento médico necessário por ser o único meio cientificamente comprovado para obtenção do controle do peso em longo prazo em indivíduos severamente obesos por restringirem a ingesta e a absorção dos alimentos definitivamente.
A Gastro Center conta com equipe muldisciplinar voltada para o tratamento da obesidade, tendo em seu quadro clínico cirurgiões com experiência em cirurgia bariátrica e cirurgia do aparelho digestivo, gastroenterologista, hepatologista, proctologista, endocrinologista, cardiologista, nutricionista, psicóloga, fisioterapeuta, serviço de endoscopia digestiva alta e baixa, ultrassonografia e laboratório. Todos em um só endereço, em ambiente confortável, moderno e aconchegante, com profissionais treinados para o bom atendimento.

Dr. Edgard W. Gripp – CRM 1812
Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica
Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgia do Aparelho Digestivo
Membro Titular da Sociedade Brasileira de Videocirurgia
Especialista em Videocirugia e Cirurgia do Aparelho Digestivo
Membro da Federação Brasileira de Gastroenterologia
Membro da Internacional Federation For The Surgery OF Obesty and metabolic disorders (IFSO)
Diretor Clínico e Admistrativo da Gastro Center
Av. Lava Pés, 829 B Duque de Caxias 65 36149500 Cuiabá MT